Quem é Luiz Carlos Trabuco Cappi? Conheça a história do presidente do Bradesco

 

Atual presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi, está a frente do segundo maior banco privado brasileiro desde 2009. Ao longo desses anos, o executivo mostrou-se um profissional competente e capaz de realizar grandes feitos, como a aquisição da filial brasileira do HSBC em 2015.

Por suas mãos passam projetos importantes como concessão de crédito para grandes corporações, entre outros projetos financeiros. Por conta de sua importância, suas decisões são acompanhadas de perto por diferentes profissionais, lideranças empresariais e políticas, e não apenas do ramo financeiro.

Luiz Carlos Trabuco Cappi, ou só Trabuco como é chamado por amigos e parentes, assumiu após a saída de Márcio Cypriano. O ex-presidente deixou o cargo por conta do estatuto do banco, que não permite presidentes com mais de 65 anos. Antes dele vieram Amador Aguiar, o fundador e Lázaro Brandão, atual presidente do conselho.

Luiz Carlos Trabuco Cappi, que assumiu em março de 2009, apresenta uma forte identificação com os ideais e cultura do Bradesco. Na época já tinha mais de 40 anos de casa, passando por diferentes áreas e níveis hierárquicos do banco, como marketing e previdência privada. Por seus esforços chegou a vice-presidência cedo, com apenas 47 anos.

Destacou-se em todas as áreas que passou, em especial na Seguros, em que aumentou o total de prêmios de 23% para 25%. Além disso, a contribuição do setor para o faturamento do banco passou de 26% para 35% durante os 6 anos que passou a frente da Seguros.

Início na presidência

O cenário não era um dos mais favoráveis quando Luiz Carlos Trabuco assumiu a maior posição do banco. O Bradesco tinha acabado de perder a liderança entre os bancos privados do país e seu antecessor, Márcio Cypriano, tinha demonstrado um ótimo rendimento. Durante sua gestão o valor de mercado do banco passou de US$ 5 bilhões para US$ 30 bilhões.

Em primeiro momento Luiz Carlos Trabuco Cappi descartou uma busca desenfreada pela liderança e focou no crescimento orgânico, no bom atendimento e em questões internas. A primeira foi a criação de uma universidade corporativa, bem como a mudança no quadro de lideranças e a possibilidade de dar voz aos colaboradores que subiram de cargo.

Para isso convidou esses profissionais para participar de reuniões no salão nobre do banco, reservado para diretores e acionistas. Durante o encontro, eles poderiam vocalizar ideias, apresentar resultados e expor suas opiniões.

Compra do HSBC

Durante os primeiros anos, o banco mostrou sua força e conseguiu manter um bom crescimento orgânico, contudo não era o suficiente para chegar próximo ao principal concorrente. Foi aí que Luiz Carlos Trabuco Cappi, juntamente com o conselho, decidiu por adquirir a filial brasileira do HSBC em 2015.

Na época, o banco estrangeiro foi adquirido pelo montante de US$ 5,2 bilhões, sendo considerado o maior negócio do ano. A transação deu a Trabuco o prêmio de Empreendedor do ano nas finanças, pela mídia especializada.

A transação acendeu a disputa pelo primeiro lugar entre os bancos privados do país. Em uma soma simples das participações de mercado mostra que o banco da Cidade de Deus supera o concorrente em itens como número de agências, número de correntistas e total de fundos de investimentos. Em outros três, há uma grande aproximação, são eles: número de ativos, quantidade de depósitos e empréstimos concedidos.